Pular para o conteúdo principal

Kubernetes para desenvolvedores Java - Setup


Esta é uma série de posts sobre Kubernetes para desenvolvedores Java. A série original está disponível em inglês no site dev.to

Kubernetes  é uma plataforma portátil e extensível de código aberto para gerenciamento  de containers, que facilita tanto a configuração declarativa quanto a automação. Tem um ecossistema grande e de rápido crescimento. Os serviços, suporte e ferramentas do Kubernetes estão amplamente disponíveis.

Introdução

A área de tecnologia é cíclica, de tempos em tempos as mesmas tecnologias voltam, com nomes diferentes.  (Heidemann, Vanei)

Se você tem mais de 35 anos, viu muitas tecnologias sendo re-inventadas. Nesse caso, falaremos sobre servidores de aplicação. Como podemos ver neste artigo do @rafabenehttp://rafabene.com/2019/03/15/kubernetes-servidor-aplicacao/

Como desenvolvedores, queremos executar e testar o código em nossa máquina, para ter o controle em nossas mãos. Mas agora, os programas não estão sendo executados apenas em contêineres Docker. Então, há uma série de coisas com as quais precisamos nos preocupar.

Neste tutorial, você aprenderá como preparar o ambiente local para um cluster do kubernetes. Este é o primeiro post de uma série sobre Java e Kubernetes.

Pré-requisitos

Docker

Docker  é uma plataforma de software de código aberto para criar, implantar e gerenciar contêineres de aplicações virtualizados em um sistema operacional (SO) comum, com um ecossistema de ferramentas aliadas.

Minikube

Minikube implementa um cluster local do Kubernetes no macOS, Linux e Windows.

Kubectl

A ferramenta de linha de comando do Kubernetes, kubectl, permite executar comandos em clusters do Kubernetes.

VirtualBox

O cluster do Kubernetes irá rodar dentro de uma máquina virtual. Neste caso iremos utilizar o Virtual Box
https://www.virtualbox.org/

Se você não tiver nenhuma dessas ferramentas, isso pode ajudá-lo:
github sandrogiacom/k8s

Verificando se está tudo preparado:

No terminal, digite:

$ minikube version
minikube version: v1.1.1
$ kubectl version
Client Version: version.Info{Major:"1", Minor:"14", GitVersion:"v1.14.2"...
$ virtualbox

Iniciando o minikube

Para iniciar o minikube, basta digitar minikube start no terminal.O comando acima cria a máquina virtual com valores padrões:
Se você quiser começar com diferentes flags, digite minikube start -h para ver a lista completa.

As opções mais importantes são:
  • --vm-driver: VM driver is one of: virtualbox parallels vmwarefusion kvm xhyve hyperv hyperkit kvm2 vmware none. default “virtualbox”
  • --memory int: Amount of RAM allocated to the minikube VM in MB (default 2048)
  • --cpus int: Number of CPUs allocated to the minikube VM (default 2)
  • --profile: The name of the minikube VM being used. This can be modified to allow for multiple minikube instances to be run independently (default “minikube”)
minikube start -p dev.to --cpus 2 --memory=4096

Dashboard

minikube -p dev.to dashboard

Você pode usar o Dashboard para obter uma visão geral dos serviços em execução no cluster, como para criar ou modificar recursos individuais do Kubernetes (como Deployments, Jobs, DaemonSets, etc).

Criando um namespace
É uma boa prática criar um namespace para separar seu espaço de trabalho. Tipo:

kubectl create namespace dev-to

Habilitando o ingress

minikube -p dev.to addons enable ingress

O Ingress expõe rotas HTTP e HTTPS de fora do cluster para serviços dentro do cluster. O roteamento de tráfego é controlado pelas regras definidas no recurso Ingress que veremos nos próximos posts.

Parando a máquina minikube

minikube -p dev.to stop

Excluindo a máquina minikube

minikube -p dev.to delete


Conclusão

Este é só o começo!

Neste tutorial, aprendemos como iniciar um cluster kubernetes local e preparar para implantar nosso próprio serviço. Na próxima postagem, iremos preparar um aplicativo Java para ser implantado no cluster do Kubernetes.

Te vejo em breve.

Referências

http://rafabene.com/2019/03/15/kubernetes-servidor-aplicacao/
https://github.com/arun-gupta/kubernetes-for-java-developers
https://github.com/arun-gupta/kubernetes-java-sample/blob/master/workshop.adoc#create-kubernetes-cluster


Siga no twitter para ficar informado dos novos posts:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Certificação Java 11 - O que mudou

Certificação Java 11 - O que mudou A Oracle liberou recentemente uma atualização das suas certificações Java para atender a nova versão Java 11  LTS (Long Term Support) . Mas o que muda em relação a certificação Java 8? Preciso me atualizar? Por onde começo?  Neste post, vamos responder estas e outras questões sobre essa nova série de certificações. Caso você não tenha acompanhado a série sobre certificação, recomendo a leitura dos posts anteriores: https://www.guiadojava.com.br/2018/06/guia-da-certificacao-java-se-8.html Também temos um bate papo com os maiores especialistas de Java do mercado. Assista o replay aqui: https://events.genndi.com/replay/169105139238448348/23a5b3a7b0/0/83729443273C Nomenclatura e requisitos A partir de agora, você não receberá o certificado se fizer apenas a primeira prova, como era no Java 8 (1Z0-808 - Java SE 8 Programmer I). Você terá que fazer duas provas para obter o certificado " Oracle Certified Professional: Java SE 11 Dev

JDK 18: Os novos recursos do Java 18

JDK 18: Os novos recursos do Java 18 Com o lançamento em março, o Java 18 incuba uma API vetorial , disponibiliza o “pattern matching for switch statements” como preview feature, adota UTF-8 como o conjunto de caracteres padrão e inclui um servidor web simples. O Java Development Kit (JDK) 18 está programado para ser lançado em 22 de março de 2022. A nova versão do Java padrão terá nove novos recursos, com o conjunto de recursos congelado em 9 de dezembro. O JDK 18 passou para um estágio de release candidate, após duas fases de rampdown realizadas entre dezembro e fevereiro. Um segundo release candidate está previsto para 24 de fevereiro. As atualizações do Java padrão são lançadas a cada seis meses, com a versão mais recente, JDK 17 , chegando em setembro de 2021. A página OpenJDK lista os seguintes recursos como direcionados oficialmente ao JDK 18: uma interface de provedor de serviços, um servidor web simples, uma terceira incubação da API vetorial, trechos de código, uma

Java Records

  Java Records Imutável, Simples e limpa Esta funcionalidade da linguagem apareceu pela primeira vez na versão 14 como experimental e assim continuou até a versão 15 . Agora liberada de forma definitiva no Java 16 . O objetivo é ser possível ter classes que atuam como portadores transparentes de dados imutáveis. Os registros podem ser considerados tuplas nominais. Ou seja, após criado, um record não pode mais ser alterado. Records oferece uma uma sintaxe compacta para declarar classes que são portadores transparentes para dados imutáveis superficiais visando reduzir significamente o detalhamento dessas classes e irá melhorar a capacidade de leitura e manutenção do código. Vamos seguir um exemplo de uma classe chamada Pessoa . O primeiro exemplo vamos utilizar o modo tradicional. public class Pessoa { private String nome; private int idade; public Pessoa (String nome, int idade) { super (); this .nome = nome; this .idade = idade; } public String getNo